Pular para o conteúdo principal

Carpe diem

O tempo não existe.
Como podereis dizer que o tempo passa
Só pela aparência que muda,
Pelo Sol que se esconde
E pelas mudanças climáticas?
Como podereis afirmar que passa o tempo
Só pelo que foi transcorrido,
Pelo que foi esquecido
E pelas horas trágicas?

O tempo, hum, ele não existe.
Não existe, também, a vida;
Não existem os sonhos;
Não há caminhada nem há olhos tristonhos
— Mas a tristeza existe.
Há a coisa chamada felicidade, também;
Há o medo;
Há o descaso e o desdém.

O tempo não existe.
Não há senão a grande ilusão da existência
Que se equilibra entre a razão e a demência,
Entre a pureza e a indecência.
Quem dera fôssemos só loucos e indecentes!
Quem dera chupássemos os dedos,
Esquecêssemos o medo...
Quem dera chorássemos pura e exclusivamente por vontade de chorar,
Cantássemos sem a preocupação de desafinar,
Despíssemos nosso corpo no meio da rua
E, voltados para a lua, puséssemo-nos a uivar!

Mas a consciência não existe,
Só as regras persistem em ditar a escravidão!

O tempo não existe.
Só existe a modorra, a monotonia.
A vida, que nem existe, é a mesma coisa
Dia e noite, noite e dia.
Quem dera abandonássemos, por um instante,
O desiderato!
Mas é preciso, que coisa fatigante, o cronograma,
O corpo na cama e a comida no prato!

E a falsa consciência diz que não somos como os demais seres.
No entanto, se a consciência é falha, é verdade os seus dizeres:
Os outros são livres, apenas escravos dos instintos;
Somos “livres” dos instintos, mas presos em nós.
E perdemos a voz, perdemos o sono, perdemos o sexo, perdemos o Sol,
Não vemos o luar, desconhecemos as estrelas.
E, quando vemos, já estamos sem mãe, já estamos sem cama,
Libido não há, o Sol já partiu, a Lua explodiu
E nos sentimos “José”.

E o tempo não existe, o que existe é agora.
Como tereis coragem de, olhando em meus olhos, dizer o contrário?
Dez horas, quatorze, dezenove, vinte e três horas:
No momento em que são, são sempre agora.
O que existe é antes, durante e depois do instante
(E não é passado, é lembrança;
Não é futuro, é esperança;
Não é presente, é a chance de transformar).
E nada disso é tempo – essa coisa que limita as durações.
Nada disso é tempo...

(O tempo, a vida, a felicidade, a tristeza, a eternidade, as palavras...
Tudo ilusão do homem que é louco, mas não sabe que é,
Porque crê que louco é quem chupa o dedo e chora quando quiser!
A loucura das loucuras é não querer ser louco, porque só o insano é livre.
O demente não é alienado: sabe-se no umbigo da coisa, só não sabe dizê-lo).

Nada disto é tempo...
Tudo o que existe é a ilusão e a perturbação,
Algo que, talvez erroneamente, chamo de encenação:
Tudo quando enxergamos, é um palco – o que tudo quer de nós
É a experiência, a violência, a incongruência.
Experimentação. Nada mais.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Caminhada da Fé

Ah, almas tantas! Resolveram, todas, caminhar rumo ao céu – e essa caminhada não permite apego àquilo que julgam ser seu, é preciso se desvencilhar de tudo e apegar-se ao motivo primeiro que fez com que estivessem ali: a fé. Ah, almas tantas! Cantam, intercedem, prosseguem! E que há de ser feito, senão prosseguir? A vida não nos permite paradas – nem frente às dores, aos medos, às desesperanças e ao cansaço: os olhos se lançam ao infinito, redescobrem horizontes, enxergam motivos para continuar. Ah, almas tantas! Estão no chão, mas é para o alto que saltam, é o alto que buscam – e o alto é bem aqui, dentro de mim, no mais profundo e não na facilidade da superfície, no âmago. Por que seguem juntas? Porque uma é sustento para a outra e, também, se a uma faltar a energia, a força das demais é suficiente para mantê-la de pé. Há almas nas janelas que assistem as outras passarem – e, por assistirem, passam com elas. Com elas, velas e rosas para abençoar a passagem dos demais: são almas …

Cansado, outra vez

Estou farto da Literatura: ou se fala de amor ou se fala de ódio – em alguns casos, de nenhum deles, mas o resultado é igualmente fatigante. Não tenho mais energias para isso, não tenho mais energia para nada: estou cansado de tudo isto, de tudo isso e de tudo aquilo. Tudo define bem o que me desagrada, restando apenas o nada a meu favor. Meu tudo, talvez, seja nada; meu nada, talvez, seja tudo. Quem sabe? Eu não. Minha fadiga também já é assunto repetitivo, sem valor. Talvez seja um plágio de mim mesmo, tanto que recorro às mesmas falas, já gastas, já sem seu sentido primeiro. Nem a novidade, que eu tanto preguei e defendi, vem a meu socorro – estou sozinho, e é de praxe estar. Vê? Tudo de novo já nasce tão velho que me desgasta. Já se sabe, desde a origem, o futuro de todo o mundo. Sim, sabe-se. Sei que vai crescer, se machucar, estudar, machucar-se outra vez, chorar, sorrir, estudar, trabalhar ou não trabalhar, perder o emprego ou nunca “encontrá-lo”, mais sofrimento, mais felic…

Àquela mulher

Há uma mulher vestida de chita. O que ela quer? Por que tão aflita? Há uma mulher de cabeleira presa. Dá para saber o porquê da tristeza?
Ah, mulher dissemelhante! Onde se encaixa neste mundo tão errante? Ah, mulher desinquieta! Por que, em linhas tortas, sua vida é tão correta?
Essa mulher pariu o mundo Essa mulher é mãe do céu Ela vela pelo infecundo Derrama em tudo seu mel.
Quem é ela, tão pequena? Essa miúda, quem é? É aquela que não condena, Que dá motivos à fé.
Há uma mulher vestida de vida É dona do mundo, imunda não é.

O dizeres (calado)

Segue dando forma a teus silêncios, menino! Segue! Impressiona-te: eles dizem muito de ti. Leva consigo todas as tuas marcas, tuas formas... Encontra sustento em teus olhares – que ainda não vi. No não dito, há muito dizendo Como no dito, há muito que permanece calado. Impressiona-te: há coisas que são melhores ditas em silêncio. O teu silêncio, às vezes, é o que melhor te descreve – escreve.