Pular para o conteúdo principal

Tingindo de negro a trama

Debruçados, forçados, testados e patéticos, escrevem. Em cada um, a crença absurda em algo mais absurdo ainda: a importância – de que, não sei. O não-sei-que não é meu, então dane-se!
Escrevem por estudo? Nas palavras transcritas a rápidas caligrafias, respostas? Nenhuma, adivinho. Só mais e mais questionamentos. E a música funesta, horrível e melancólica completa o drama, tinge de negro a trama e me afronta! É assustador ver tantos como eu, no entanto, diferentes.
Há quem creia em Deus, logo vejo: parecem rezar, clamar, implorar por palavras que não vêm, não veem, não sentem – assustam-me! Chico Xavier pluralizado aguardando espírito! E para quê outro, senão o seu?
E uma voz, em meio a silenciosos gritos apavorados, oferece-me o jardim. Capim indigesto sob o vento morto! Seca-me suas músicas e irritam-me! E como é boa a fúria: põe-me a alma em cacos e escrevo em busca de remendos.
Esqueci-me dos demais, felizes ou angustiados. Não me importam mais, porque eu sou todos eles: escrevo por todos, mas não traduzo o que sentem – não traduzo nada! Sou linguagem única, até a mim incompreensível!
Sinto-me, outra vez, assaltado e não me resta senão este desabafo ou a morte. Caminho para o fim, não o meu, mas da melodia que parece renascer aos poucos, alheia a meu mais profundo incômodo. Tapo, abstrato, os ouvidos e enxergo-me dentro de mim: encontrei-me, a escrita surtiu efeito.
Agora, sei lá! Perco-me outra vez como maneira de encontrar outros. Levanto os olhos e deles escapa-me a alma que sonda as palavras de cada uma das outras almas presentes. Encanta-se, quase chora e retorna, não sem amargura, para seu dono.
Cadáveres por todos os lados, mas de mãos vivas. Escrevem por gosto ou por obrigação? Não questiono para não romper o falso silêncio e para evitar palestra daqueles supostos sabedores que antes me irritaram. Devo contar o porquê para você não me achar um bobo.
Era dado o momento das apresentações. Para mim, nome e função bastavam. Que nada! Faltou apenas ditarem os documentos e, não bastasse, seguiu-se um debate sobre o que é e como enfiar a leitura goela abaixo da criançada por aí. Pobres alunos desgraçados, pobres vítimas do método! Mais contadores de histórias e menos contadores de vantagem, por favor.

Pedem-me, vozes que não sei, que dê por finda a escrita. E dou, dou para não fugir à regra, embora queira. Dou é porque já me perdi e não quero me encontrar – não ainda.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Caminhada da Fé

Ah, almas tantas! Resolveram, todas, caminhar rumo ao céu – e essa caminhada não permite apego àquilo que julgam ser seu, é preciso se desvencilhar de tudo e apegar-se ao motivo primeiro que fez com que estivessem ali: a fé. Ah, almas tantas! Cantam, intercedem, prosseguem! E que há de ser feito, senão prosseguir? A vida não nos permite paradas – nem frente às dores, aos medos, às desesperanças e ao cansaço: os olhos se lançam ao infinito, redescobrem horizontes, enxergam motivos para continuar. Ah, almas tantas! Estão no chão, mas é para o alto que saltam, é o alto que buscam – e o alto é bem aqui, dentro de mim, no mais profundo e não na facilidade da superfície, no âmago. Por que seguem juntas? Porque uma é sustento para a outra e, também, se a uma faltar a energia, a força das demais é suficiente para mantê-la de pé. Há almas nas janelas que assistem as outras passarem – e, por assistirem, passam com elas. Com elas, velas e rosas para abençoar a passagem dos demais: são almas …

Cansado, outra vez

Estou farto da Literatura: ou se fala de amor ou se fala de ódio – em alguns casos, de nenhum deles, mas o resultado é igualmente fatigante. Não tenho mais energias para isso, não tenho mais energia para nada: estou cansado de tudo isto, de tudo isso e de tudo aquilo. Tudo define bem o que me desagrada, restando apenas o nada a meu favor. Meu tudo, talvez, seja nada; meu nada, talvez, seja tudo. Quem sabe? Eu não. Minha fadiga também já é assunto repetitivo, sem valor. Talvez seja um plágio de mim mesmo, tanto que recorro às mesmas falas, já gastas, já sem seu sentido primeiro. Nem a novidade, que eu tanto preguei e defendi, vem a meu socorro – estou sozinho, e é de praxe estar. Vê? Tudo de novo já nasce tão velho que me desgasta. Já se sabe, desde a origem, o futuro de todo o mundo. Sim, sabe-se. Sei que vai crescer, se machucar, estudar, machucar-se outra vez, chorar, sorrir, estudar, trabalhar ou não trabalhar, perder o emprego ou nunca “encontrá-lo”, mais sofrimento, mais felic…

Àquela mulher

Há uma mulher vestida de chita. O que ela quer? Por que tão aflita? Há uma mulher de cabeleira presa. Dá para saber o porquê da tristeza?
Ah, mulher dissemelhante! Onde se encaixa neste mundo tão errante? Ah, mulher desinquieta! Por que, em linhas tortas, sua vida é tão correta?
Essa mulher pariu o mundo Essa mulher é mãe do céu Ela vela pelo infecundo Derrama em tudo seu mel.
Quem é ela, tão pequena? Essa miúda, quem é? É aquela que não condena, Que dá motivos à fé.
Há uma mulher vestida de vida É dona do mundo, imunda não é.

O dizeres (calado)

Segue dando forma a teus silêncios, menino! Segue! Impressiona-te: eles dizem muito de ti. Leva consigo todas as tuas marcas, tuas formas... Encontra sustento em teus olhares – que ainda não vi. No não dito, há muito dizendo Como no dito, há muito que permanece calado. Impressiona-te: há coisas que são melhores ditas em silêncio. O teu silêncio, às vezes, é o que melhor te descreve – escreve.