Pular para o conteúdo principal

Tingindo de negro a trama

Debruçados, forçados, testados e patéticos, escrevem. Em cada um, a crença absurda em algo mais absurdo ainda: a importância – de que, não sei. O não-sei-que não é meu, então dane-se!
Escrevem por estudo? Nas palavras transcritas a rápidas caligrafias, respostas? Nenhuma, adivinho. Só mais e mais questionamentos. E a música funesta, horrível e melancólica completa o drama, tinge de negro a trama e me afronta! É assustador ver tantos como eu, no entanto, diferentes.
Há quem creia em Deus, logo vejo: parecem rezar, clamar, implorar por palavras que não vêm, não veem, não sentem – assustam-me! Chico Xavier pluralizado aguardando espírito! E para quê outro, senão o seu?
E uma voz, em meio a silenciosos gritos apavorados, oferece-me o jardim. Capim indigesto sob o vento morto! Seca-me suas músicas e irritam-me! E como é boa a fúria: põe-me a alma em cacos e escrevo em busca de remendos.
Esqueci-me dos demais, felizes ou angustiados. Não me importam mais, porque eu sou todos eles: escrevo por todos, mas não traduzo o que sentem – não traduzo nada! Sou linguagem única, até a mim incompreensível!
Sinto-me, outra vez, assaltado e não me resta senão este desabafo ou a morte. Caminho para o fim, não o meu, mas da melodia que parece renascer aos poucos, alheia a meu mais profundo incômodo. Tapo, abstrato, os ouvidos e enxergo-me dentro de mim: encontrei-me, a escrita surtiu efeito.
Agora, sei lá! Perco-me outra vez como maneira de encontrar outros. Levanto os olhos e deles escapa-me a alma que sonda as palavras de cada uma das outras almas presentes. Encanta-se, quase chora e retorna, não sem amargura, para seu dono.
Cadáveres por todos os lados, mas de mãos vivas. Escrevem por gosto ou por obrigação? Não questiono para não romper o falso silêncio e para evitar palestra daqueles supostos sabedores que antes me irritaram. Devo contar o porquê para você não me achar um bobo.
Era dado o momento das apresentações. Para mim, nome e função bastavam. Que nada! Faltou apenas ditarem os documentos e, não bastasse, seguiu-se um debate sobre o que é e como enfiar a leitura goela abaixo da criançada por aí. Pobres alunos desgraçados, pobres vítimas do método! Mais contadores de histórias e menos contadores de vantagem, por favor.

Pedem-me, vozes que não sei, que dê por finda a escrita. E dou, dou para não fugir à regra, embora queira. Dou é porque já me perdi e não quero me encontrar – não ainda.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Carpe diem

O tempo não existe.
Como podereis dizer que o tempo passa
Só pela aparência que muda,
Pelo Sol que se esconde
E pelas mudanças climáticas?
Como podereis afirmar que passa o tempo
Só pelo que foi transcorrido,
Pelo que foi esquecido
E pelas horas trágicas?

O tempo, hum, ele não existe.
Não existe, também, a vida;
Não existem os sonhos;
Não há caminhada nem há olhos tristonhos
— Mas a tristeza existe.
Há a coisa chamada felicidade, também;
Há o medo;
Há o descaso e o desdém.

O tempo não existe.
Não há senão a grande ilusão da existência
Que se equilibra entre a razão e a demência,
Entre a pureza e a indecência.
Quem dera fôssemos só loucos e indecentes!
Quem dera chupássemos os dedos,
Esquecêssemos o medo...
Quem dera chorássemos pura e exclusivamente por vontade de chorar,
Cantássemos sem a preocupação de desafinar,
Despíssemos nosso corpo no meio da rua
E, voltados para a lua, puséssemo-nos a uivar!

Mas a consciência não existe,
Só as regras persistem em d…

SINAIS DOS TEMPOS

Os olhos foram comidos Comidos foram os ouvidos Costurada a boca Roubados os sentidos A coisa agora é outra A coisa agora é rouca É louca a coisa pouca É tanta gente trouxa É tanta mente vaga E as vagas andam poucas A inteligência vazia Sucumbe à tecnologia E um smartphone sabe o que não sabe o homem E, no mundo, há tanta fome E tantos que descartam o que nem consomem E tanto homem no ponto Sentado feito tonto Esperando seu ônibus chegar Rodeado de tanta gente Incapaz de conversar E, se conversa, mente: Em quem se pode acreditar? E o ouvido no fone E os olhos na tela E o toque é touch E o touch é screen Alguém, por favor, olha para mim Que olhos? No rosto duas marcas cicatrizadas Alguém, por favor, diga algo para mim Que boca? A agulha costura o silêncio Alguém, por favor, dê ouvidos para mim? Que ouvido? Há tempos já foi consumido
É o fim.

Discurso Fúnebre

O amor sem esperança não tem outro refúgio senão a morte. (José de Alencar)


Não sei o que queres de mim Não sei se me queres assim Não sei se é este meu fim: Morrer por amar-te, Ser o brim de tua arte, Artesanato em tuas mãos, Dos pés, o teu chão.
Chegaste como quem nada quer e Arrasaste meu coração, mulher Fizeste-me escabelo de teus pés Fizeste-me laço em teus cabelos Fizeste-me canto em teus ouvidos Fizeste-me um e foste dez!
Deferiste os mais duros golpes, Foste baixa e ferina E eu, que nem sei brincar, Recebi a espada de tua esgrima. Feriste a um teu, fizeste teu galope Foste cobra, deste um bote Do poema, foste o mote Mataste a esperança ínfima Fizeste nascer a fonte Lágrima Deste origem à lástima Despiste tua máscara Meu coração esmiuçara E tinhas a voz tão calma E foste algoz, bicho feroz Devoraste minha alma.
Mas de solidão sucumbirá Teu coração atrofiará Serás amarga, carcará Terás embargo, isolar-te-á Terás tristeza, chorará Em tua própria aspereza, há de te arranhar Quando,…