Pular para o conteúdo principal

Inícios

“Viva cada dia como se fosse o último”, dizem por aí. Confesso que essa frase sempre me causou certo medo e estranhamento e não é sem esses sentimentos que a transcrevo. Não acredito que eu, sabendo ter minha vida quase finda, amaria e sorriria e brincaria mais (talvez e muito provavelmente eu faria o exato oposto, porque a certeza do término me sufocaria).
Sufoco... é o que acontece quando nos rendemos à sofreguidão: a ânsia nos acelera o coração e o joga na nossa goela – entalado, mas pulsando em nossa garganta, ele clama para sair: se tivermos sorte, conseguimos engolir ou cuspir; se não tivermos, ele ficará ali até que resfoleguemos o último jato de ar.
Não é que eu fuja à ideia da morte, não é que eu seja covarde. Manifestarei aqui minha defesa (ou talvez não, não sei se será realmente proveitoso dizer alguma coisa): gosto da morte e digo isso sem a menor culpa, gosto dela porque ela põe cada indivíduo em seu devido lugar – e não me refiro unicamente a debaixo da terra – mostrando a cada um o quão efêmero ele é, o quão passageiro e insignificante é para dizer-se mais que o outro e o tanto que ele significa para dizer ser menos.
“Viva cada dia como se fosse o último”: ao diabo que o carregue com isso! Se te serve, vista – mas não queira me meter isso na cabeça! Quem quiser ver cada instante como o último (o que não é um erro, porque ele não se repete), que veja! Mas não serei eu a concordar com isso: prefiro acreditar que cada vez é a primeira, cada instante é o inicial (e pelo mesmo motivo: ele não ecoa – depois que passa, passa).
Não me é possível recordar qual minha reação quando, não com muito carinho, fui expulso do ventre de minha mãe, mas imagino que foi com encantamento que vi o mundo – claro, porque não o conhecia: saber faz a Magia morrer e a transforma em Ciência. Mas sei que sei tão pouco e que o pouco que sei me é tão vago, que ainda me permito encantar: olho cada coisa pela primeira vez, mesmo que seja a milésima – e é assim que aprendo a viver de verdade: nascendo a cada dia. 

Comentários

MAIORES ACESSOS

Caminhada da Fé

Ah, almas tantas! Resolveram, todas, caminhar rumo ao céu – e essa caminhada não permite apego àquilo que julgam ser seu, é preciso se desvencilhar de tudo e apegar-se ao motivo primeiro que fez com que estivessem ali: a fé. Ah, almas tantas! Cantam, intercedem, prosseguem! E que há de ser feito, senão prosseguir? A vida não nos permite paradas – nem frente às dores, aos medos, às desesperanças e ao cansaço: os olhos se lançam ao infinito, redescobrem horizontes, enxergam motivos para continuar. Ah, almas tantas! Estão no chão, mas é para o alto que saltam, é o alto que buscam – e o alto é bem aqui, dentro de mim, no mais profundo e não na facilidade da superfície, no âmago. Por que seguem juntas? Porque uma é sustento para a outra e, também, se a uma faltar a energia, a força das demais é suficiente para mantê-la de pé. Há almas nas janelas que assistem as outras passarem – e, por assistirem, passam com elas. Com elas, velas e rosas para abençoar a passagem dos demais: são almas …

Cansado, outra vez

Estou farto da Literatura: ou se fala de amor ou se fala de ódio – em alguns casos, de nenhum deles, mas o resultado é igualmente fatigante. Não tenho mais energias para isso, não tenho mais energia para nada: estou cansado de tudo isto, de tudo isso e de tudo aquilo. Tudo define bem o que me desagrada, restando apenas o nada a meu favor. Meu tudo, talvez, seja nada; meu nada, talvez, seja tudo. Quem sabe? Eu não. Minha fadiga também já é assunto repetitivo, sem valor. Talvez seja um plágio de mim mesmo, tanto que recorro às mesmas falas, já gastas, já sem seu sentido primeiro. Nem a novidade, que eu tanto preguei e defendi, vem a meu socorro – estou sozinho, e é de praxe estar. Vê? Tudo de novo já nasce tão velho que me desgasta. Já se sabe, desde a origem, o futuro de todo o mundo. Sim, sabe-se. Sei que vai crescer, se machucar, estudar, machucar-se outra vez, chorar, sorrir, estudar, trabalhar ou não trabalhar, perder o emprego ou nunca “encontrá-lo”, mais sofrimento, mais felic…

Àquela mulher

Há uma mulher vestida de chita. O que ela quer? Por que tão aflita? Há uma mulher de cabeleira presa. Dá para saber o porquê da tristeza?
Ah, mulher dissemelhante! Onde se encaixa neste mundo tão errante? Ah, mulher desinquieta! Por que, em linhas tortas, sua vida é tão correta?
Essa mulher pariu o mundo Essa mulher é mãe do céu Ela vela pelo infecundo Derrama em tudo seu mel.
Quem é ela, tão pequena? Essa miúda, quem é? É aquela que não condena, Que dá motivos à fé.
Há uma mulher vestida de vida É dona do mundo, imunda não é.