Pular para o conteúdo principal

Fome de justiça

O cachorro estava lá, quase morto. Deitara-se havia pouco tempo, talvez porque suas pernas magras não aguentavam sustentar seu pouco corpo. Estava trêmulo, sujo, abandonado – o pobre cão não tinha vez no mundo, por isso, lançara-se ali mesmo sem o mínimo sinal de esperança.
O animal, no entanto, não permaneceria sozinho ali por muito tempo: poucos instantes depois, um outro animal se colocara ao lado dele: era um homem, mais sujo que o cachorro. Chegou abanando o corpo, com a língua de fora, correndo atrás do rabo – procurava a posição adequada para se deitar. Demorou-se nesse ritual cerca de cinco minutos, até que, enfim, se jogou aos pés do animal. Ele gemia, chorava, parecia que latia.
Passaram uma, duas... cinquenta pessoas! Umas olhavam torto, como se o homem fosse um vira-latas e o cão um vagabundo; como se o cão pudesse pedir esmola a qualquer momento e, o homem, mordê-las (seria ele vacinado?); como se, cão e homem, mijassem nos seus pés como mijam em um poste.
O cão olha para o homem (com olhar de piedade?) e, vendo seu sofrimento, começa acariciar seus pelos. O homem, esboçando – não sem algum esforço – um sorriso, acaricia os cabelos do cão. Solidariedade no momento derradeiro? Não; eles não acreditam que irão morrer, não agora: esperam que alguém lhes estenda a mão, assim como eles estenderam as patas um ao outro.
Que fizeram eles para estarem ali? Não importa, não mudará nada saber: o motivo não fará deles menos cão e menos homem, justificar o sofrimento deles não fará de nós melhores que eles. Não, eles não precisam de nossa hipocrisia – carecem de solidariedade. Mas quem lhes estenderá a mão? Será que alguém, em algum momento, irá fazê-lo?
Quem são esses sofredores? São uma parte de nós, são um de nossos membros que sofre, são um órgão que dói! Como poderemos nós estarmos bem, se há algo em nós que sofre? Se algo não está certo com o corpo, não é o todo que padece? O cão e o homem são um só, não são dois. Uma única verdade atirada a nossa porta clamando por ser escutada. Não, não estaremos bem enquanto houver sofrimento.
E o que faremos agora? Vamos nos sentar frente as nossas janelas e pedir ao céu um milagre? Somos todos médicos capazes de curar a indiferença, só precisamos olhar ao lado. Deixaremos para o próximo ano as providências ou enxergaremos que o amor é agora? A verdade atirada em nossa porta pode morrer sem ser ouvida, pode morrer com fome – fome de justiça. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Carpe diem

O tempo não existe.
Como podereis dizer que o tempo passa
Só pela aparência que muda,
Pelo Sol que se esconde
E pelas mudanças climáticas?
Como podereis afirmar que passa o tempo
Só pelo que foi transcorrido,
Pelo que foi esquecido
E pelas horas trágicas?

O tempo, hum, ele não existe.
Não existe, também, a vida;
Não existem os sonhos;
Não há caminhada nem há olhos tristonhos
— Mas a tristeza existe.
Há a coisa chamada felicidade, também;
Há o medo;
Há o descaso e o desdém.

O tempo não existe.
Não há senão a grande ilusão da existência
Que se equilibra entre a razão e a demência,
Entre a pureza e a indecência.
Quem dera fôssemos só loucos e indecentes!
Quem dera chupássemos os dedos,
Esquecêssemos o medo...
Quem dera chorássemos pura e exclusivamente por vontade de chorar,
Cantássemos sem a preocupação de desafinar,
Despíssemos nosso corpo no meio da rua
E, voltados para a lua, puséssemo-nos a uivar!

Mas a consciência não existe,
Só as regras persistem em d…

SINAIS DOS TEMPOS

Os olhos foram comidos Comidos foram os ouvidos Costurada a boca Roubados os sentidos A coisa agora é outra A coisa agora é rouca É louca a coisa pouca É tanta gente trouxa É tanta mente vaga E as vagas andam poucas A inteligência vazia Sucumbe à tecnologia E um smartphone sabe o que não sabe o homem E, no mundo, há tanta fome E tantos que descartam o que nem consomem E tanto homem no ponto Sentado feito tonto Esperando seu ônibus chegar Rodeado de tanta gente Incapaz de conversar E, se conversa, mente: Em quem se pode acreditar? E o ouvido no fone E os olhos na tela E o toque é touch E o touch é screen Alguém, por favor, olha para mim Que olhos? No rosto duas marcas cicatrizadas Alguém, por favor, diga algo para mim Que boca? A agulha costura o silêncio Alguém, por favor, dê ouvidos para mim? Que ouvido? Há tempos já foi consumido
É o fim.

Discurso Fúnebre

O amor sem esperança não tem outro refúgio senão a morte. (José de Alencar)


Não sei o que queres de mim Não sei se me queres assim Não sei se é este meu fim: Morrer por amar-te, Ser o brim de tua arte, Artesanato em tuas mãos, Dos pés, o teu chão.
Chegaste como quem nada quer e Arrasaste meu coração, mulher Fizeste-me escabelo de teus pés Fizeste-me laço em teus cabelos Fizeste-me canto em teus ouvidos Fizeste-me um e foste dez!
Deferiste os mais duros golpes, Foste baixa e ferina E eu, que nem sei brincar, Recebi a espada de tua esgrima. Feriste a um teu, fizeste teu galope Foste cobra, deste um bote Do poema, foste o mote Mataste a esperança ínfima Fizeste nascer a fonte Lágrima Deste origem à lástima Despiste tua máscara Meu coração esmiuçara E tinhas a voz tão calma E foste algoz, bicho feroz Devoraste minha alma.
Mas de solidão sucumbirá Teu coração atrofiará Serás amarga, carcará Terás embargo, isolar-te-á Terás tristeza, chorará Em tua própria aspereza, há de te arranhar Quando,…