Pular para o conteúdo principal

Fome de justiça

O cachorro estava lá, quase morto. Deitara-se havia pouco tempo, talvez porque suas pernas magras não aguentavam sustentar seu pouco corpo. Estava trêmulo, sujo, abandonado – o pobre cão não tinha vez no mundo, por isso, lançara-se ali mesmo sem o mínimo sinal de esperança.
O animal, no entanto, não permaneceria sozinho ali por muito tempo: poucos instantes depois, um outro animal se colocara ao lado dele: era um homem, mais sujo que o cachorro. Chegou abanando o corpo, com a língua de fora, correndo atrás do rabo – procurava a posição adequada para se deitar. Demorou-se nesse ritual cerca de cinco minutos, até que, enfim, se jogou aos pés do animal. Ele gemia, chorava, parecia que latia.
Passaram uma, duas... cinquenta pessoas! Umas olhavam torto, como se o homem fosse um vira-latas e o cão um vagabundo; como se o cão pudesse pedir esmola a qualquer momento e, o homem, mordê-las (seria ele vacinado?); como se, cão e homem, mijassem nos seus pés como mijam em um poste.
O cão olha para o homem (com olhar de piedade?) e, vendo seu sofrimento, começa acariciar seus pelos. O homem, esboçando – não sem algum esforço – um sorriso, acaricia os cabelos do cão. Solidariedade no momento derradeiro? Não; eles não acreditam que irão morrer, não agora: esperam que alguém lhes estenda a mão, assim como eles estenderam as patas um ao outro.
Que fizeram eles para estarem ali? Não importa, não mudará nada saber: o motivo não fará deles menos cão e menos homem, justificar o sofrimento deles não fará de nós melhores que eles. Não, eles não precisam de nossa hipocrisia – carecem de solidariedade. Mas quem lhes estenderá a mão? Será que alguém, em algum momento, irá fazê-lo?
Quem são esses sofredores? São uma parte de nós, são um de nossos membros que sofre, são um órgão que dói! Como poderemos nós estarmos bem, se há algo em nós que sofre? Se algo não está certo com o corpo, não é o todo que padece? O cão e o homem são um só, não são dois. Uma única verdade atirada a nossa porta clamando por ser escutada. Não, não estaremos bem enquanto houver sofrimento.
E o que faremos agora? Vamos nos sentar frente as nossas janelas e pedir ao céu um milagre? Somos todos médicos capazes de curar a indiferença, só precisamos olhar ao lado. Deixaremos para o próximo ano as providências ou enxergaremos que o amor é agora? A verdade atirada em nossa porta pode morrer sem ser ouvida, pode morrer com fome – fome de justiça. 

Comentários

MAIORES ACESSOS

Caminhada da Fé

Ah, almas tantas! Resolveram, todas, caminhar rumo ao céu – e essa caminhada não permite apego àquilo que julgam ser seu, é preciso se desvencilhar de tudo e apegar-se ao motivo primeiro que fez com que estivessem ali: a fé. Ah, almas tantas! Cantam, intercedem, prosseguem! E que há de ser feito, senão prosseguir? A vida não nos permite paradas – nem frente às dores, aos medos, às desesperanças e ao cansaço: os olhos se lançam ao infinito, redescobrem horizontes, enxergam motivos para continuar. Ah, almas tantas! Estão no chão, mas é para o alto que saltam, é o alto que buscam – e o alto é bem aqui, dentro de mim, no mais profundo e não na facilidade da superfície, no âmago. Por que seguem juntas? Porque uma é sustento para a outra e, também, se a uma faltar a energia, a força das demais é suficiente para mantê-la de pé. Há almas nas janelas que assistem as outras passarem – e, por assistirem, passam com elas. Com elas, velas e rosas para abençoar a passagem dos demais: são almas …

Cansado, outra vez

Estou farto da Literatura: ou se fala de amor ou se fala de ódio – em alguns casos, de nenhum deles, mas o resultado é igualmente fatigante. Não tenho mais energias para isso, não tenho mais energia para nada: estou cansado de tudo isto, de tudo isso e de tudo aquilo. Tudo define bem o que me desagrada, restando apenas o nada a meu favor. Meu tudo, talvez, seja nada; meu nada, talvez, seja tudo. Quem sabe? Eu não. Minha fadiga também já é assunto repetitivo, sem valor. Talvez seja um plágio de mim mesmo, tanto que recorro às mesmas falas, já gastas, já sem seu sentido primeiro. Nem a novidade, que eu tanto preguei e defendi, vem a meu socorro – estou sozinho, e é de praxe estar. Vê? Tudo de novo já nasce tão velho que me desgasta. Já se sabe, desde a origem, o futuro de todo o mundo. Sim, sabe-se. Sei que vai crescer, se machucar, estudar, machucar-se outra vez, chorar, sorrir, estudar, trabalhar ou não trabalhar, perder o emprego ou nunca “encontrá-lo”, mais sofrimento, mais felic…

Àquela mulher

Há uma mulher vestida de chita. O que ela quer? Por que tão aflita? Há uma mulher de cabeleira presa. Dá para saber o porquê da tristeza?
Ah, mulher dissemelhante! Onde se encaixa neste mundo tão errante? Ah, mulher desinquieta! Por que, em linhas tortas, sua vida é tão correta?
Essa mulher pariu o mundo Essa mulher é mãe do céu Ela vela pelo infecundo Derrama em tudo seu mel.
Quem é ela, tão pequena? Essa miúda, quem é? É aquela que não condena, Que dá motivos à fé.
Há uma mulher vestida de vida É dona do mundo, imunda não é.