Pular para o conteúdo principal

Desencontrado

Esqueceu-se. Que mal há nisso? Por acaso não somos todos nós fadados ao esquecimento? Não é cotidiano esquecer? Não é rotineiro ser esquecido? Às favas com tudo isso! Esqueceu e pronto. Ou quase isso, talvez ponto, talvez vírgula. Fico com a vírgula.
O fato é que precisava falar a seu vizinho algo de extrema importância, mas lhe faltava o nome do sujeito. Qual seria? Não é verdade que moram lado a lado há dezessete anos? Então por que a ausência do nome? Só agora, rente à porta de entrada ameaçando bater, nota que desconhece o homem que vive próximo a ele. E quanta distância há entre essas almas tão próximas!
Levou a mão à porta, quase a tocou. Mas não o fez e nem o faria enquanto não recordasse o nome do meliante. Quando se esquecera dele? Quando a rotina se tornara monótona a ponto de não fugir dela ao menos para olhar ao lado?
Perdeu-se em reminiscências. Era, de novo, criança a implorar o colo da mãe; novamente menino a jogar bola com os garotos vizinhos e sabia o nome de cada um. Depois, adolescente ambicioso a esquecer do mundo em busca de seus interesses: primeiro mulheres; em seguida, o dinheiro. Agora esquecido, mal conversa com a esposa. Agora, egoísta, preso à esquerda de seu egocentrismo.
Viu alguém caminhando em direção a casa, por isso se escondeu. Não era o dono da casa que se aproximava, mas o carteiro que, vendo-o, lhe entregou um monte de papéis que ele passou rapidamente por debaixo da porta, lembrando depois que poderia ter descoberto, ali, o nome do vizinho.
Novamente perdido em recordações, lembrou-se do dia em que fora morar naquela rua. Como se tudo fosse magia, vivia a procurar em cada mesmice resquícios de novidade. Quando perdera a alma? Quando se tornou indiferente a tudo? Mudo, notou que se tornara um homem vazio, oco.
De repente, a porta se abriu: era o homem.
— Horácio, que surpresa! Que ventos o trouxeram à minha porta? – disse o homem sem nome, apenas homem.
— Pois é, o vento sempre a nos carregar!- respondeu com cuidado, para que o outro não notasse seu esquecimento -. Cá estou para transmitir importante notícia.
Dito isso, ficou mudo. Qual era mesmo a notícia? Novamente, perdeu-se em lembranças.
Era fim de tarde e o sol, matuto rapaz, cedia lugar à ventania. O vento se misturava às lembranças de Horácio, levando-as... Trazendo-as... Enfim, se lembrou. Da notícia, não do nome. Tratava de um jantar de amigos, reunião de pessoas que nem se conheciam. Qual o problema disso? Globalizou-se a indiferença.
O homem o convidou a entrar. Ofereceu-lhe xícara de café e pediu que o esperasse ali, enquanto ele buscava o maldito e inconveniente álbum de fotografias. No rádio, Bethânia interpretava uma música qualquer; na estante, Dom casmurro dividia espaço com vários outros clássicos. Esses gostos lembravam alguém, mas quem?
O homem voltou à sala com grosso álbum em mãos. Entregou-o a Horácio que começou a folhear. Nele, várias fotos do homem ao seu lado ainda rapaz. Nele, fotos desse rapaz com alguém no colo. Meu Deus! Era Leonora! A esposa com quem ele mal conversava nos braços de outro homem.
Que fazer? Enforcar o traste ali mesmo? Matar Leonora? Cafajestes! Claro, há tempos seu casamento ia mal, mas essa foto era dos tempos em que eles eram jovens amantes! Leonora de cabelos longos, cacheados, pendidos a altura da delgada cintura; ele rapaz sem jeito, pés descalços, alma livre.
Pálido de ódio, trêmulo, suava. Seus olhos eram os próprios olhos do demônio, ardendo vermelhos.  O coração retumbava veloz. E o outro falava algo a respeito de uma foto qualquer, da qual só ouviu o fim da frase:
—... Linda, não é verdade?- o outro só manejava a cabeça, concordando.
O mundo rodava. Bethânia cantava Negue, de Adelino Moreira; e, da estante, Machado sorria irônico. A visão turva, a cabeça zonza. De repente, o homem pergunta ainda apontando a foto:
—Ela também vai ao jantar? Há tempos não conversamos, ela e eu. Quando ela chega, eu parto... Que saudades sinto de minha irmã! - E essa fala foi como um soco no estômago de Horácio.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Carpe diem

O tempo não existe.
Como podereis dizer que o tempo passa
Só pela aparência que muda,
Pelo Sol que se esconde
E pelas mudanças climáticas?
Como podereis afirmar que passa o tempo
Só pelo que foi transcorrido,
Pelo que foi esquecido
E pelas horas trágicas?

O tempo, hum, ele não existe.
Não existe, também, a vida;
Não existem os sonhos;
Não há caminhada nem há olhos tristonhos
— Mas a tristeza existe.
Há a coisa chamada felicidade, também;
Há o medo;
Há o descaso e o desdém.

O tempo não existe.
Não há senão a grande ilusão da existência
Que se equilibra entre a razão e a demência,
Entre a pureza e a indecência.
Quem dera fôssemos só loucos e indecentes!
Quem dera chupássemos os dedos,
Esquecêssemos o medo...
Quem dera chorássemos pura e exclusivamente por vontade de chorar,
Cantássemos sem a preocupação de desafinar,
Despíssemos nosso corpo no meio da rua
E, voltados para a lua, puséssemo-nos a uivar!

Mas a consciência não existe,
Só as regras persistem em d…

SINAIS DOS TEMPOS

Os olhos foram comidos Comidos foram os ouvidos Costurada a boca Roubados os sentidos A coisa agora é outra A coisa agora é rouca É louca a coisa pouca É tanta gente trouxa É tanta mente vaga E as vagas andam poucas A inteligência vazia Sucumbe à tecnologia E um smartphone sabe o que não sabe o homem E, no mundo, há tanta fome E tantos que descartam o que nem consomem E tanto homem no ponto Sentado feito tonto Esperando seu ônibus chegar Rodeado de tanta gente Incapaz de conversar E, se conversa, mente: Em quem se pode acreditar? E o ouvido no fone E os olhos na tela E o toque é touch E o touch é screen Alguém, por favor, olha para mim Que olhos? No rosto duas marcas cicatrizadas Alguém, por favor, diga algo para mim Que boca? A agulha costura o silêncio Alguém, por favor, dê ouvidos para mim? Que ouvido? Há tempos já foi consumido
É o fim.

Discurso Fúnebre

O amor sem esperança não tem outro refúgio senão a morte. (José de Alencar)


Não sei o que queres de mim Não sei se me queres assim Não sei se é este meu fim: Morrer por amar-te, Ser o brim de tua arte, Artesanato em tuas mãos, Dos pés, o teu chão.
Chegaste como quem nada quer e Arrasaste meu coração, mulher Fizeste-me escabelo de teus pés Fizeste-me laço em teus cabelos Fizeste-me canto em teus ouvidos Fizeste-me um e foste dez!
Deferiste os mais duros golpes, Foste baixa e ferina E eu, que nem sei brincar, Recebi a espada de tua esgrima. Feriste a um teu, fizeste teu galope Foste cobra, deste um bote Do poema, foste o mote Mataste a esperança ínfima Fizeste nascer a fonte Lágrima Deste origem à lástima Despiste tua máscara Meu coração esmiuçara E tinhas a voz tão calma E foste algoz, bicho feroz Devoraste minha alma.
Mas de solidão sucumbirá Teu coração atrofiará Serás amarga, carcará Terás embargo, isolar-te-á Terás tristeza, chorará Em tua própria aspereza, há de te arranhar Quando,…