Pular para o conteúdo principal

AMIGOS ESCRITORES

Realidade
                                     João Oliveira
Interromperam meu sonho. Quem teve a audácia de fazê-lo? Serias tu, realidade? Não suportas minha fertilidade?
Ainda hei de te transformar. Mas assim, deixa para lá. Quero voltar a sonhar. Amanhã faço isso, mas hoje não. 
Eu estava imaginando pessoas se abraçando. Não tens o direito de me negar o calor humano. Envolto de emoções, como sendo maneira de manifestações. Ai de ti se o fizer. Faço te abraçar como és. De te moldar a existência até o fim dos pés.
Amanhã trato de lidar contigo. Hoje não. Hoje eu sou sonho. Sou o desejo do fadigado. Sou a causa de quem descansa. Sou a pessoa que ama. Sou veste de esperança. O voo que te alcança. Hoje sou você disfarçado. Ocultado em pessoas de ações caladas.



O céu sorriu para mim
                                                             Bruna Caetano

O céu sorriu para mim de manhã. Não havia nada – absolutamente nada – que precisasse além daquilo. Da luz que cega meus olhos, da brisa que arranca meu peito, do vento que enxuga minhas lágrimas e dos pássaros que, vez ou outra, me ensinam a viver.
Eu não sou nada, além de um mero mortal. Mas, então, por que todas as noites tenho a sensação de que sou algo especial? De que sou um covarde em busca da felicidade, mesmo caminhando para a escuridão? Apelos e mais apelos – não fossem eles, o que seria de mim? -, debruço-me sobre a janela e vejo meu pai passar por lá. Ah, meu pai! Por que se foi embora sem deixar ao menos uma frase, um abraço, ou uma briga? Daria meus braços e minhas mãos – que são a porta dos meus sentimentos – para ouvir ao menos sua risada.
Hoje, porém, o céu sorriu para mim. E nada pude fazer além de saltar da janela e criar asas. Se isso não ocorresse, deitaria no concreto gelado e esperaria a partida, esperaria minha carona chegar. Eu pulei sem pensar duas ou três vezes – apenas uma. E essa foi suficiente. Basta! Disse eu, com a consciência descrente.
Enquanto caía, vozes e sussurros tapavam o barulho dos carros lá embaixo. Ninguém entenderia o que estava acontecendo e não precisava que me entendessem. Chega de novelas e protelações! Eles mal sabiam alegrar seus corações! Tive tempo de pensar e me lembrar daquela moça que deixei ir embora. Pobre dela se me amasse como eu a amei, não desejava a ninguém aquilo que me tornei.
Há cinco metros do chão, minhas costas magras estavam ocas. A esperança morreu naquele instante, não poderia mais acreditar nas histórias de um viajante. Fechei meus olhos e abri meus braços – toma meu pai, o teu abraço! O chão duro me socorreu, deu-me o amor que você não procedeu.
E então, todo quebrado e distante de tudo, eu vi o que há muito tempo não enxergava: a vida. Respirei como pela primeira vez, meu peito inflava e doía. Nada que não pudesse suportar. Naquele instante eu vi. O céu sorriu para mim.
Tarde demais.



Comentários

MAIORES ACESSOS

Caminhada da Fé

Ah, almas tantas! Resolveram, todas, caminhar rumo ao céu – e essa caminhada não permite apego àquilo que julgam ser seu, é preciso se desvencilhar de tudo e apegar-se ao motivo primeiro que fez com que estivessem ali: a fé. Ah, almas tantas! Cantam, intercedem, prosseguem! E que há de ser feito, senão prosseguir? A vida não nos permite paradas – nem frente às dores, aos medos, às desesperanças e ao cansaço: os olhos se lançam ao infinito, redescobrem horizontes, enxergam motivos para continuar. Ah, almas tantas! Estão no chão, mas é para o alto que saltam, é o alto que buscam – e o alto é bem aqui, dentro de mim, no mais profundo e não na facilidade da superfície, no âmago. Por que seguem juntas? Porque uma é sustento para a outra e, também, se a uma faltar a energia, a força das demais é suficiente para mantê-la de pé. Há almas nas janelas que assistem as outras passarem – e, por assistirem, passam com elas. Com elas, velas e rosas para abençoar a passagem dos demais: são almas …

Cansado, outra vez

Estou farto da Literatura: ou se fala de amor ou se fala de ódio – em alguns casos, de nenhum deles, mas o resultado é igualmente fatigante. Não tenho mais energias para isso, não tenho mais energia para nada: estou cansado de tudo isto, de tudo isso e de tudo aquilo. Tudo define bem o que me desagrada, restando apenas o nada a meu favor. Meu tudo, talvez, seja nada; meu nada, talvez, seja tudo. Quem sabe? Eu não. Minha fadiga também já é assunto repetitivo, sem valor. Talvez seja um plágio de mim mesmo, tanto que recorro às mesmas falas, já gastas, já sem seu sentido primeiro. Nem a novidade, que eu tanto preguei e defendi, vem a meu socorro – estou sozinho, e é de praxe estar. Vê? Tudo de novo já nasce tão velho que me desgasta. Já se sabe, desde a origem, o futuro de todo o mundo. Sim, sabe-se. Sei que vai crescer, se machucar, estudar, machucar-se outra vez, chorar, sorrir, estudar, trabalhar ou não trabalhar, perder o emprego ou nunca “encontrá-lo”, mais sofrimento, mais felic…

Àquela mulher

Há uma mulher vestida de chita. O que ela quer? Por que tão aflita? Há uma mulher de cabeleira presa. Dá para saber o porquê da tristeza?
Ah, mulher dissemelhante! Onde se encaixa neste mundo tão errante? Ah, mulher desinquieta! Por que, em linhas tortas, sua vida é tão correta?
Essa mulher pariu o mundo Essa mulher é mãe do céu Ela vela pelo infecundo Derrama em tudo seu mel.
Quem é ela, tão pequena? Essa miúda, quem é? É aquela que não condena, Que dá motivos à fé.
Há uma mulher vestida de vida É dona do mundo, imunda não é.